sábado

Paciência

             -Bom dia, eu poderia falar com o senhor Geraldo da Silva?
            -É ele mesmo. Quem é?
            -Meu nome é Janaína, do banco...
            -Ah, não quero saber de cartão não.
            -Não senhor, eu não vim tratar de cartão.
            -Também não quero saber de conta pra pagar, minha senhora. Hoje não.
            -Não senhor, não é pra falar de conta não.
            -Ah minha filha, você acha que tô pra escutar de taxas?
            -Taxas? Que taxas? Não vim falar de taxas não.
            -Juros então, é isso? Já sei que estão altos, mulher.
            -Não é sobre juros não senhor.
            -Escuta aqui, já sei que minha conta tá negativa. Devo não nego, pagarei quando puder.
            -Mas senhor...
            -Também já sei que meu nome tá bem sujo, mas o que é que posso fazer? Eu trabalho feito condenado, é só o dinheiro que não vem.
            -Não senhor, não é sobre seu nome estar sujo ou não...
            -Cheque sem fundo? Só pode ser isso. Eu sabia que iam me ligar cedo ou tarde, mas como já disse, hoje não quero saber. Depois eu vejo como que vou acertar isso.
            -Não é sobre isso não, senhor. É que...
            -Ah já sei, o banco sofreu um assalto, é isso, né? Escuta aqui, dona... dona...
            -Janaína.
            -Isso mesmo. Dona Janaína, eu não tinha nada na conta não. Pouco me importa se sofreram um assalto ou deixaram de sofrer. Não tem como perder o que não tinha, né?
            -Meu senhor...
            -A menos que tenham apagado tudo do banco. Aí sim saio no lucro. Vai que perderam todos os dados que falavam das minhas dívidas...
            -Senhor! O banco é muito seguro, não houve assalto coisa nenhuma!
            -Ah, então descobriram que a nota que eu coloquei aí era falsa, foi isso? A senhora vai me perdoar, mas eu não tenho culpa se me pagam com nota falsa!
            -Nota falsa? Não é nada disso que quero falar!
            -Então vai fazer propaganda de algo? Escuta aqui dona... dona...
            -Janaína!!
            -Isso aí, dona Janaína. Se num for de graça, não dá pra mim. Tô sem grana, mulher.
            -Não vim fazer propaganda não, senhor!
            -Olha aqui moça, não tô com tempo de escutar nada de banco hoje, tá? A senhora vai me dar licença que eu preciso trabalhar pra ver se ganho algum dinheiro.
            -Mas senhor....— ele desliga o telefone
            -Eu te disse, Mônica! Eu te disse que essa ideia de informar que o cliente ganhou um prêmio por telefone não ia dar certo!
            -Por quê?
            -O moço num quis nem saber.
            -Mas Janaína, ele ia ganhar cinquenta mil reais!
            -Pois é, num quis saber.
            -Ah, então liga pro que ficou em segundo lugar aí...
            -Tá. Mas da próxima vez, melhor mandar alguém ir lá pra avisar, né?
            -É, pode deixar que da próxima vez a gente manda.

            Lavínia Rocha Ferreira. - publicado no jornal "Boca no Trombone" (Trabalho do Colégio Santo Antônio)

4 comentários:

  1. Ual!Adoreii! isso mostra como as pessoas são hoje em dia não entende aquele ditado de uma boca..dois ouvidos..parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não entendem mesmo! kkk obrigada!

      Excluir